Mas como faz pra pagar as compras não tendo trabalho?

Quando ouvimos este tipo de perguntas em conversas de crianças, é quando compreendemos a relevância que a alfabetização financeira ganha quando aprendida desde cedo.

Voltemos à situação do título:

-Que legal! Tua mãe ´tá sempre em casa agora, mas como fazem pra pagar as compras não tendo trabalho?
-Ela contou pra gente que sempre juntou dinheiro por se algum dia ficava sem trabalho por algum tempo. E eu, quando recebo um dinheirinho de presente, faço a mesma coisa, uma parte eu gasto e outra guardo, pelas dúvidas.
-Ahh, gostei, é como ter um pé de meia pelas dúvidas e a gente fica tranquilo que sempre tem um dinheirinho aí.

As pesquisas sobre condutas de poupança em crianças e adolescentes coletam resultados que apontam na mesma linha que o diálogo apresentado acima. Entre os fatores que influenciam positivamente nestes comportamentos, encontramos o estímulo dos pais à poupar e o hábito que os adultos têm com relação à poupança. Neste sentido, o que conhecemos na literatura das finanças pessoais como Fundo de Emergência -poupança que temos para momentos de dificuldades econômicas-, as crianças incorporam como o pé de meia pelas dúvidas, de forma gradativa e natural, capitalizando assim um conhecimento para o resto da vida.